domingo, 30 de outubro de 2011

Homenagem à Rosimeiry


"A morte é apenas uma travessia do mundo, tal como os amigos que atravessam o mar e permanecem vivos uns nos outros
Porque sentem necessidade de estar presentes, para amar e viver o que é onipresente.
Neste espelho divino vêem-se face a face; e sua conversa é livre e pura.
Este é o consolo dos amigos e embora se digam que morrem, sua amizade e convívio estão,
no melhor sentido, sempre presentes, porque são imortais."
- William Penn, More Fruits of Solitude

Hoje eu acordei com câimbra nos pés, com o dedo machucado e o joelho doendo, mas não é um daqueles dia que eu coloco culpa na dança ou em um descuido qualquer pessoal. A razão destas dores que me impedem andar melhor são dores de luto. Ontem ao dormir, não consegui ler minha diária dose de um capítulo de harry potter seguidamente e, para quem me conhece, isso é, no mínimo estranho, para mim é luto. Hoje eu acordei sem sono e mantive. Esta madrugada, eu não acordei às 3h com medo ou sede, eu acordei às 1h, 2h e 4h com pesar. Acordei hoje, às 7h sem sono e, quem me conhece, sabe que isso para mim é madrugar. Hoje estou de luto, porque você não mais atenderá o telefone, não mais mandará mensagem. Você está em outro lugar, acredito que bem, tranquila, liberta. Mas hoje vou parar tudo para acompanhar você uma última vez, porque é tudo que tenho. Hoje estou de luto, porque hoje eu perdi uma amiga, uma prima (como você mesma me considerava também), uma companheira. Tudo que tenho a dizer é que eu te amo e espero que aonde quer que você esteja, aonde quer que você vá, esteja em paz, a paz que você merece tão bem.