Pular para o conteúdo principal

Postagens

Ano Novo Pessoal: uma associação livre

Dizem que temos dois anos novos. O ano novo para todos, a virada de ano global e a virada de ano do próprio aniversário. No meu caso, meu ano novo pessoal é hoje. Dia 17 de janeiro. E a primeira coisa que decidi fazer é escrever. Escrever porque faz parte de mim. Olhar pra mim, entrar em contato comigo implica em uma escrita posterior. Não sei explicar o porque, só sei dizer que é assim. Eu sou levada a escrever assim como sou levada a ler, a ouvir música, a assistir um filme, a olhar uma obra de arte. Foi assim desde sempre e só não é quando está muito difícil de lidar. Escrever é como dançar e cantar, passa pelo reconhecimento, depois tem que passar pelo corpo, pela boca, pelas mãos. É um processo complexo e simples ao mesmo tempo.  Contraditório, sim. Mas somos contraditórios por natureza. Não é sem razão que Freud traz as pulsões à tona. Somos sujeitos contraditórios lá no fundo. Evitamos trazer isso à tona para não incomodar a razão. Contradição. Com tradição. Com tradução. Cono…
Postagens recentes

Precisava agradecer.

Alguém, em algum momento da minha vida, me disse que a gente só escreve depois de amadurecida uma ideia. Que para a ideia começar a surgir no papel é preciso investimento naquela ideia. Ela não aparece do nada. Sempre concordei com isso, mas acho que nunca a compreendi de fato. Foi apenas hoje que o giro da chave se deu. É preciso incorporar a ideia antes, deixá-la entrar por todos os poros, transbordar na mente e no corpo. Talvez seja por isso que tenho tentado escrever sobre qualquer coisa e não surtia efeito: a ideia ainda estava adormecida, eu estava em processo. Só agora, de madrugada, consigo pôr os pensamentos em ordem coerente suficiente para escrever. Que saudade. E com ela vem uma sensação de deja vu ao me deparar com momentos de uma Rosy Delusion (ilusão otimista) tão bem descrita  por Rachel Hulin em sua prévia do livro Hey Harry, Hey Matilda. E é com essa sensação que dou um sorriso e agradeço tudo que me aconteceu até hoje em minha vida. Agradeço pelas pessoas que estiv…

Suspiros no frio

O farfalhar das folhas denunciava o vento frio que chegava contando do inverno. Tempo de recolhimento. Os pássaros cantavam ao longe fazendo uma sinfonia que, mesmo assim era harmoniosa apesar de tudo. Sons, timbres, cores e intensidade se misturavam e davam uma música natural e agradável aos ouvidos. O gato na soleira da porta, dormia tranquilo, ignorando a presença dele. Ao longe, próximo ao bosque, ela brincava de girar e cair na grama gelada. Ele sorriu. Ela não viu. Estava muito ocupada rodopiando para ver seu hálito formando um círculo de fumaça ao seu redor. Era o que ela mais gostava de fazer nessa época, brincar de suspirar para ver sair fumaça, porque fumaça é calor, é sinal de vida pulsante, é sinal de sorrisos e olhares. Sinal de amor. Ela sabia e ele também. O cachorro pulava ao redor soltando baforadas também ao redor dela para tirar-lhes gaitadas boas da risada alegre e descontraída que ela levava consigo. Amor. Amor. Amor. Suspiros no frio.
Paula Arrais

Oportunidades

Em meio a luz, cores, sons, sorrisos, olhares, toques e palavras a vida tomava forma. As cortinas se abriam para um mundo outro que trazia consigo a verdade de cada um ali presente. Escondidas pelos cantos dos olhos, essas verdades se faziam presente nos movimentos, marcavam presença nas palavras recitadas, oculpavam espaço nas colchias e no palco.
Melodias inteiras tocadas enchiam o coração, as vozes e os movimentos. Faziam parte dela de uma forma que jamais poderia explicar. Estava onde deveria estar, em casa e sonhando com momentos futuros. Que mundo lindo. Mundo dela. E o sorriso abriu seu rosto, dando o acalento de dias vindouros.
Quer isso, sempre. Quer o palco, as colchias, os ensaios, as luzes. Quer script, partitura, maquiagem e figurino. Quer trocas, sorrisos, olhares, sons e cores. Quer ser mais do que hoje e buscar sempre se superar. Quer força e coragem e, acima de tudo, oportunidades.



Paula Arrais

Beijar

Ela andava com seu vestido verde, refletido no fundo de seus olhos. O brilho deles denunciava toda aquela vontade. Desejo ardente. Falava gesticulando para ver se a ansiedade esvaía de seu corpo; se o tremor no corpo passava. Não era frio, era energia pulsando, vibrando, querendo sair. Olhava de esguelha pra ele. Qualquer movimento brusco denunciaria seu nervosismo. E ela, sempre tão segura de si, não deixaria ele ver que ele era sua fraqueza. Sentaram naquele mesmo lugar de tempos atrás e, de repente, o silêncio os consumiu, a consumiu.  Tudo que restava era aproveitar a oportunidade que surgiu. Brincou com um graveto como quem não quer nada. Sabia que ele a olhava. Chegou mais perto. Fez um comentário qualquer. Chegou mais perto. O desejo ardia em seu peito, fazia as mão tremerem e as borboletas em seu estômago baterem as asas o mais rápido possível, no ritmo que também batia seu coração. Rápido. Cortante. Roubou o beijo. O beijo tão prometido. Mordeu seus lábios, porque podia. Era…

O farol das Orcas

A imensidão verde azulada rodeando o branco arenoso sustentava a brisa calma que vinha do sul. A paz que embalava seus corações e o amor que sentiam um pelo outro eram enunciados pelo olhar silencioso que davam furtivamente um ao outro. O som das ondas batendo acompanhava seus corações embalados por um ritmo leve. As cores em tons pastéis pintavam quadros de dois amantes apaixonados no pé do farol olhando as orcas brincarem. Amor. Era tudo que tinham.

 Amor é o que eu tenho para hoje.

Paula Arrais

Cheiro de Café (uma associação livre)

O cheiro de café.



E essa vontade de escrever que se apossa de mim e me amordaça, mas não faz sair aquilo que está na ponta da mente, querendo surgir e não aparece. Não aparece por que de alguma forma dói. Incomoda. Quero dizer algo que não sai, simples assim. É preciso coragem do meu eu mais selvagem. Mas meu eu mais selvagem não quer lutar. Não hoje. Talvez nunca. Meu eu mais selvagem se emudeceu, escondeu, pediu trégua do mundo. Precisa descansar, nem que seja um pouco. Talvez amanhã ele volte com força para lutar, quando tiver descansado de tanta dor. Mas quando ela vai passar? As paredes fecham sobre ele, o mundo se tornou pequeno, os sorrisos se tornaram frouxos, os dias se tornaram vazios. O cinza tomou conta. Deixe-me dormir só mais um pouco. Deixe-me abrir um pote de café e sentir o cheiro tomar conta da sala, tomar conta de mim. Deixe-me respirar cheiros bons que me tragam de volta para casa. Tragam-me de volta a mim. Devolvam-…