domingo, 7 de maio de 2017

Beijar

Ela andava com seu vestido verde, refletido no fundo de seus olhos. O brilho deles denunciava toda aquela vontade. Desejo ardente. Falava gesticulando para ver se a ansiedade esvaía de seu corpo; se o tremor no corpo passava. Não era frio, era energia pulsando, vibrando, querendo sair. Olhava de esguelha pra ele. Qualquer movimento brusco denunciaria seu nervosismo. E ela, sempre tão segura de si, não deixaria ele ver que ele era sua fraqueza. Sentaram naquele mesmo lugar de tempos atrás e, de repente, o silêncio os consumiu, a consumiu. 
Tudo que restava era aproveitar a oportunidade que surgiu. Brincou com um graveto como quem não quer nada. Sabia que ele a olhava. Chegou mais perto. Fez um comentário qualquer. Chegou mais perto. O desejo ardia em seu peito, fazia as mão tremerem e as borboletas em seu estômago baterem as asas o mais rápido possível, no ritmo que também batia seu coração. Rápido. Cortante. Roubou o beijo. O beijo tão prometido. Mordeu seus lábios, porque podia. Era o beijo deles e beijo sem mordida não tem desejo. Desejo de algo mais. Desejo de mãos que soltam seu laço para acariciar o corpo. Descer e subir. Brincar com a pele. Acariciar, apertar, fazer sair gemido. Beijar.


Paula Arrais

Nenhum comentário:

Postar um comentário