Pular para o conteúdo principal

Cheiro de Café (uma associação livre)

                                                O cheiro de café.




E essa vontade de escrever que se apossa de mim e me amordaça, mas não faz sair aquilo que está na ponta da mente, querendo surgir e não aparece. Não aparece por que de alguma forma dói. Incomoda. Quero dizer algo que não sai, simples assim. É preciso coragem do meu eu mais selvagem. Mas meu eu mais selvagem não quer lutar. Não hoje. Talvez nunca. Meu eu mais selvagem se emudeceu, escondeu, pediu trégua do mundo. Precisa descansar, nem que seja um pouco. Talvez amanhã ele volte com força para lutar, quando tiver descansado de tanta dor. Mas quando ela vai passar? As paredes fecham sobre ele, o mundo se tornou pequeno, os sorrisos se tornaram frouxos, os dias se tornaram vazios. O cinza tomou conta. Deixe-me dormir só mais um pouco. Deixe-me abrir um pote de café e sentir o cheiro tomar conta da sala, tomar conta de mim. Deixe-me respirar cheiros bons que me tragam de volta para casa. Tragam-me de volta a mim. Devolvam-me. Que eu me devolva com uma xícara de café recém passado que recendeia sob meu nariz. Fecho os olhos e sorrio. Quem sabe dormir?Alguma coisa pra me fazer dormir, aquietar a mente. O cheiro de café resolve. Só o cheiro. Não precisa tomar.                      



                  Só o cheiro                                                          serve. 

                                                  O cheiro de café. 

Cheiro.                      Café.                          Recendeia.                      Cheiro.


Café... me deixa dormir...

Café. Cheiro de Café.



Paula Arrais

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oportunidades

Em meio a luz, cores, sons, sorrisos, olhares, toques e palavras a vida tomava forma. As cortinas se abriam para um mundo outro que trazia consigo a verdade de cada um ali presente. Escondidas pelos cantos dos olhos, essas verdades se faziam presente nos movimentos, marcavam presença nas palavras recitadas, oculpavam espaço nas colchias e no palco.
Melodias inteiras tocadas enchiam o coração, as vozes e os movimentos. Faziam parte dela de uma forma que jamais poderia explicar. Estava onde deveria estar, em casa e sonhando com momentos futuros. Que mundo lindo. Mundo dela. E o sorriso abriu seu rosto, dando o acalento de dias vindouros.
Quer isso, sempre. Quer o palco, as colchias, os ensaios, as luzes. Quer script, partitura, maquiagem e figurino. Quer trocas, sorrisos, olhares, sons e cores. Quer ser mais do que hoje e buscar sempre se superar. Quer força e coragem e, acima de tudo, oportunidades.



Paula Arrais

O farol das Orcas

A imensidão verde azulada rodeando o branco arenoso sustentava a brisa calma que vinha do sul. A paz que embalava seus corações e o amor que sentiam um pelo outro eram enunciados pelo olhar silencioso que davam furtivamente um ao outro. O som das ondas batendo acompanhava seus corações embalados por um ritmo leve. As cores em tons pastéis pintavam quadros de dois amantes apaixonados no pé do farol olhando as orcas brincarem. Amor. Era tudo que tinham.

 Amor é o que eu tenho para hoje.

Paula Arrais

Precisava saber como era.

Luna sentou na borda da sacada. Os braços apoiados no parapeito, os pés soltos a balançar para fora, o olhar distante. Estava na hora de agir. Durante meses se viu em uma luta constante com seu coração. Deu-se alguns meses para acostumar à sua nova situação. Precisava saber se o interesse naquele outro homem era genuíno ou apenas efeito de uma vida que não ia bem. Concluiu, finalmente: era genuíno. Foram dias, meses, anos de flertes ininterruptos, olhares furtivos, mensagens trocadas, noites sem dormir, sorrisos e toques sutis. Estava finalmente na hora de agir. Marcou com ele. A espera. A es-pe-ra. Que ideia foi essa de marcar horário? Podia ter esperado um daqueles dias que sempre o encontrava, mas não! Tinha que marcar com ele. Agora estava presa a uma ansiedade sem fim, que parecia, não acabaria nunca. As mãos tremiam. O coração palpitava tanto que faltava saltar pela boca. Suava frio. Vagou pelo pensamento, procurando lembrar tudo que tinha ensaiado na frente do espelho. Agora j…