Pular para o conteúdo principal

Precisava saber como era.

Luna sentou na borda da sacada. Os braços apoiados no parapeito, os pés soltos a balançar para fora, o olhar distante. Estava na hora de agir. Durante meses se viu em uma luta constante com seu coração. Deu-se alguns meses para acostumar à sua nova situação. Precisava saber se o interesse naquele outro homem era genuíno ou apenas efeito de uma vida que não ia bem. Concluiu, finalmente: era genuíno.
Foram dias, meses, anos de flertes ininterruptos, olhares furtivos, mensagens trocadas, noites sem dormir, sorrisos e toques sutis. Estava finalmente na hora de agir. Marcou com ele. A espera. A es-pe-ra. Que ideia foi essa de marcar horário? Podia ter esperado um daqueles dias que sempre o encontrava, mas não! Tinha que marcar com ele. Agora estava presa a uma ansiedade sem fim, que parecia, não acabaria nunca.
As mãos tremiam. O coração palpitava tanto que faltava saltar pela boca. Suava frio.
Vagou pelo pensamento, procurando lembrar tudo que tinha ensaiado na frente do espelho. Agora já não lembrava de tudo que planejara e algumas coisas soavam ridículas. Não teria tempo de mudar, teria que improvisar. Só que improvisar quando se está nervosa nunca foi seu forte. Respirou fundo. "Inspira. Expira." dizia a si mesma. E nessa tentativa de se acalmar não o percebeu chegando. Sobressaltou-se ao ouvi-lo chamá-la. Agradeceu por não ter pensado em voz alta, não sabia à quanto tempo ele estava lá.
Luna levantou, cumprimentou e em questão de segundos avaliou a situação, preferiu dar um beijo na boca dele. "Precisava saber como era." disse em desabafo. Era tudo que ele precisava saber. Era tudo que ela precisava saber... E assim foi o dia na borda da sacada.


Paula Arrais

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oportunidades

Em meio a luz, cores, sons, sorrisos, olhares, toques e palavras a vida tomava forma. As cortinas se abriam para um mundo outro que trazia consigo a verdade de cada um ali presente. Escondidas pelos cantos dos olhos, essas verdades se faziam presente nos movimentos, marcavam presença nas palavras recitadas, oculpavam espaço nas colchias e no palco.
Melodias inteiras tocadas enchiam o coração, as vozes e os movimentos. Faziam parte dela de uma forma que jamais poderia explicar. Estava onde deveria estar, em casa e sonhando com momentos futuros. Que mundo lindo. Mundo dela. E o sorriso abriu seu rosto, dando o acalento de dias vindouros.
Quer isso, sempre. Quer o palco, as colchias, os ensaios, as luzes. Quer script, partitura, maquiagem e figurino. Quer trocas, sorrisos, olhares, sons e cores. Quer ser mais do que hoje e buscar sempre se superar. Quer força e coragem e, acima de tudo, oportunidades.



Paula Arrais

Precisava agradecer.

Alguém, em algum momento da minha vida, me disse que a gente só escreve depois de amadurecida uma ideia. Que para a ideia começar a surgir no papel é preciso investimento naquela ideia. Ela não aparece do nada. Sempre concordei com isso, mas acho que nunca a compreendi de fato. Foi apenas hoje que o giro da chave se deu. É preciso incorporar a ideia antes, deixá-la entrar por todos os poros, transbordar na mente e no corpo. Talvez seja por isso que tenho tentado escrever sobre qualquer coisa e não surtia efeito: a ideia ainda estava adormecida, eu estava em processo. Só agora, de madrugada, consigo pôr os pensamentos em ordem coerente suficiente para escrever. Que saudade. E com ela vem uma sensação de deja vu ao me deparar com momentos de uma Rosy Delusion (ilusão otimista) tão bem descrita  por Rachel Hulin em sua prévia do livro Hey Harry, Hey Matilda. E é com essa sensação que dou um sorriso e agradeço tudo que me aconteceu até hoje em minha vida. Agradeço pelas pessoas que estiv…

Volta logo.

E você não estava quando eu chorei. Chorei de raiva, chorei de amor, chorei de dor de perder. Quando você saiu pela porta da frente fiquei com medo de não mais te ver, mas você voltou e o meu amor chorou. Chorou de alegria, de alívio, de paz enfim alcançada. E o tempo mal curou a saudade e você saiu porta afora, desbravando o mundo. O jardim ficou vazio, o banquinho de madeira pedindo aconchego. Volta logo para as flores abrirem, volta logo pro meu aconchego.